Restaurante Colina Verde na Mídia

Guia 4 Rodas - Editora Abril

Estrelado consecutivamente desde 1986.
“O Melhor da Refeição Colonial no Brasil”

Programa Encontro com Fátima Bernardes - Rede Globo - Janeiro 2017

 

TV Bandeirantes - Junho de 2017

Hoje em Dia - TV Record - Outubro 2013

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Jornal Correio do Povo - Junho 2017

Culinária típica alemã é destaque na Serra

Banquetes coloniais inspirados na tradição do kerb, uma festa típica alemã, retratam o cardápio

O setor gastronômico é um dos pontos fortes do turismo na Região das Hortênsias. Gramado, Canela, Nova Petrópolis, Picada Café e São Francisco de Paula contam com variadas opções gastronômicas. São mais de 300 estabelecimentos de refeição fora do lar. Além de fondues, cafés coloniais, casas de massa e galeto, a região conta com restaurantes de comida típica alemã. O atendimento diferenciado e a qualidade dos produtos utilizados no preparo dos pratos tornam diferenciada a experiência gastronômica pela região.

 

Com colonização alemã, Nova Petrópolis desponta no segmento. Além de ruas arborizadas e floridas e do estilo arquitônico enxaimel, a herança dos alemães marca a culinária local. Os banquetes coloniais inspirados na tradição do kerb, uma festa típica alemã caracterizada pela mesa farta, retratam o cardápio oferecido pelo restaurante Colina Verde, um dos mais consagrados da região. Predominam receitas tradicionais da culinária alemã mescladas a algumas receitas italianas e gaúchas. Todos os pratos são preparados artesanalmente em fogão à lenha e servidos por atendentes com trajes típicos alemães que estão sempre à disposição para repetir qualquer prato à vontade.

 

Na mesa, mais de 10 variedades de pratos, indo desde o famoso joelho de porco com salsichas, o Eisbein, até o Knodel (nhoque recheado com lingüiça, queijo e bacon), passando pelos lombinhos de porco à milanesa, frango ao forno com maçãs doces, matambre enrolado, almôndegas ao forno, chucrute, salsicha bock, kassler, purê de batatas e panquecas de maçã, além de um diversificado buffet de sobremesas, que está incluso no valor do almoço. O Colina Verde também oferece o apfelstrudel, que é a tradicional torta de maçãs alemã. O restaurante fica no topo de uma colina, com belo visual. 

 

Na febre das cervejas artesanais, a região conta com uma experiência diferenciada. Quem procura por comida típica alemã, pode embarcar na Serra Bier – Rota Cervejeira, que oferece passeios por cervejarias de Gramado e Canela desde 2011. Em Kombis temáticas e personalizadas, os passageiros da Rota Cervejeira fazem degustações de cervejas especiais na Gram Bier e Rasen Bier, em Gramado. Nos finais de semana, o passeio termina com degustação e almoço típico alemão na Cervejaria do Farol, em Canela.

 

Com a tradição de produzir há mais de 250 anos na Alemanha, a cervejaria utiliza a pureza da água de Canela para fabricar uma cerveja com alto grau de qualidade. Além de uma cerveja artesanal autêntica, a Farol é destaque também na área gastronômica. O Eisben é o carro-chefe, mas o menu é completo: salsicha bock, chucrute e massas com variados tipos de molho compõem o buffet.

Blog COMER.DORMIR.VIAJAR. - Globo.com - Maio de 2017

 

"O Restaurante Colina Verde é motivo suficiente para visitar Nova Petrópolis. O atendimento simpático da família Schwantes e o rodízio de comida caseira alemã justificam os diversos prêmios de reconhecimento como o melhor da cidade. "

Matéria Completa:

http://comerdormirviajar.com/restaurante-colina-verde-nova-petropolis-rs-brasil

Estúdio de Inverno - Rede Bandeirantes - Julho 2016

Guia Divina Cozinha - Agosto 2014

Eleito um dos TOP 5 da Serra Gaúcha através de votação popular.

 

Jornal Zero Hora - Junho 2014

O cardápio do restaurante Colina Verde (fone: 54 3281-1388), em Nova Petrópolis, é um desafio mesmo para os mais glutões. De terça a domingo (das 11h30min às 15h), a família Schwantes serve um menu típico alemão, que vai muito além do eisbein (joelho de porco) e do nhoque recheado com linguiça e bacon. Para a sobremesa, o imperdível apfelstrudel, servido com nata batida e sorvete de creme.

 

Destemperados - Outubro 2013

Citado como nas Hot Lists de "13 restaurantes alemães para se esbaldar", "8 panquecas doces para experimentar" e "10 apfelstrudel para adoçar seu dia".

 

http://www.destemperados.com.br/regiao/hot-list/10-apfelstrudel-para-adocar-seu-dia

http://www.destemperados.com.br/regiao/hot-list/8-panquecas-doces-para-experimentar

http://destemperados.com.br/regiao/hot-list/13-alemaes-para-se-esbaldar


Destemperados - Outubro 2013

"Colina Verde - O verdadeiro almoço colonial"

 

http://www.destemperados.com.br/regiao/rs/colina-verde-o-verdadeiro-almoco-colonial

 

Jornal Zero Hora - Outubro 2013

Coluna Nossos Filhos - Alexandra Aranovich

"...Àqueles que pegam a estrada pela Rota Romântica, destaco Nova Petrópolis, onde está o Labirinto Verde da praça central. Para quem quiser ficar por essas bandas, segue a dica de dois ótimos restaurantes: Unser Haus e o famoso Colina Verde..."

Revista Menu - Editora Três - Agosto 2013

"Um Banquete Recheado de História"


"Quem visita Nova Petrópolis, cidade da Serra Gaúcha, pode pensar que está em algum pedaço da Alemanha. Fundada em 1858, por iniciativa do Império para abrigar imigrantes europeus que chegaram ao Brasil na época, a cidade foi ocupada por poloneses, russos e principalmente alemães, que deixaram suas marcas nas ruas arborizadas, na arquitetura enxaimel e, claro, na culinária...


...O banquete colonial teria sido inspirado no kerb termo que se refere a uma festa da colônia alemã, na qual se comemora o aniversário da igreja do povoado."Como os colonos vinham de muito longe, a festa durava dias. Cada um contribuía com uma especialidade de sua região.Por isso, a mesa farta.", explica Marlene Schwantes, proprietária do Restaurante Colina Verde, aberto em 1980. A casa começou oferecendo café colonial e almoço típico alemão. Depois de alguns anos, passou a servir somente almoço, mas no estilo colonial. Assim como o café, a mesa do almoço também é abarrotada de clássicos alemães como o schnitzel, kassler e sauerkraut..."

 

Brasil Urgente - TV Bandeirantes - Julho 2013

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Jornal Band Cidade - TV Bandeirantes - Julho de 2013

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Revista Viagem e Turismo – Editora Abril – Julho 2012
Citado como um dos 200 lugares inesquecíveis para deixar seu inverno inesquecível.

Revista da Rota Romântica – Julho 2012 – Editora VerDePerto
“Da trilha sonora à decoração. Tudo lembra o país de origem dos imigrantes que, há dois séculos, chegaram a região da Rota Romântica. Nada, porém, pode ser comparado à farta refeição que encanta os visitantes pela quantidade e sabor. São 15 opções diferentes de dar água na boca, com destaque para o bolinho de aipim com bacon: crocante e delicioso. Marlene Schwantes, proprietária do Restaurante Colina Verde, diz que o segredo do famoso bolinho está no preparo da massa. “Vai farinha, aipim, bacon e mais uns segredinhos que não podemos revelar”, brinca. Embora a culinária alemã seja o carro-chefe, os pratos mesclam iguarias das cozinhas italiana e gaúcha. Uma das carnes mais apreciadas é o matambre bovino enrolado, ou rinderrouladen, em alemão.  Segundo Luis Schwantes, filho de Marlene, este é o prato que mais agrada ao gosto masculino, junto ao Eisbein (joelho de porco). Entre as mulheres, a preferência é pelo frango ao forno com maçãs. “A mistura de doce com salgado é tradicional da culinária alemã”, informa Luis. A combinação pode ser encontrada também no kasssler (lombo deufmado) com rotkohl (repolho roxo agridoce). E para fechar a refeição com chave de ouro, a melhor sugestão é uma sobremesa típica: o apfelstrudel (torta de maçã). Simplesmente, maravilhosa.”

Jornal BrandNews – Poços de Caldas MG – Julho de 2010
“...e dali fomos conduzidos ao famoso Colina Verde, especializado em comida alemã. O adjetivo “banquete” talvez seja o mais adequado quando se fala dali. Servido por garçons e garçonetes vestidos com roupas típicas alemãs, os mesmos “inundam” sua mesa com mais de 10 variedades de pratos, indo desde o famoso joelho de porco com salsichas, o Eisbein, até o Knodel (nhoque recheado com lingüiça, queijo e bacon), passando pelos lombinhos de porco à milanesa, frango ao forno com maçãs doces, macarrão branco, matambre enrolado, almôndegas ao forno, chucrute, salsicha bock, kassler, purê de batatas e panquecas de maçã, além de um Buffet de sobremesas de tirar suspiros de qualquer um. Tudo isso regado a cervejas artesanais ou vinhos. O leitor não precisa ser “bidu” para imaginar que, voltando ao hotel, entrei em “coma” por duas horas...”

Revista La Cav – Amantes Del Vino – Chile – Novembro de 2009
“En el restaurant Colina Verde se puede conocer la gastronomia cononial alemana, típica de la región. Ubicado a três kilómetros de Nova Petrópolis, justamente en la cumbre de una colina, com una magnífica vista al valle, a sus altas araucárias, flores y arbustos, este restaurante funciona desde 1980 y es administrado y atendido personalmente por la família Schwantes, descendientes de inmigrantes alemanes. Todos los dias ofrecen um menu que van sirviendo como um rodízio, que recrea la tradicion de la mesa farta o mesa llena, banquetes com que se celebran las reuniones familiares o fiestas evangélicas. Em la oferta predomina la cocina de sur aleman y otras recetas italianas y gauchas...”

Jornal El Mercurio – Chile – Setembro de 2009

“ A poco más de una hora desde Bento Gonçalves, Nova Petrópolis parece um pueblito alemán. La sensación se acentua cuando uno entra al restorán Colina Verde. Perniles, chuletas kasler, chucrut, salchichas bock, uma gran variedad de cervezas y así, un sinnúmero de manjares germânicos hipercalóricos. Entre lós mejores de la región según la guia Quatro Rodas, sorprende com sopa de cappellettis y pastas de fabricación casera, y com um strudel de manzana glorioso...”

Livro – Cozinha Regional Brasileira – Rio Grande do Sul – Editora Abril
Elaboração e montagem de 22 receitas do livro.

“Marlene Ackermann Schwantes – Com 11 anos, Marlene Ackermann Schwantes começou a ajudar uma senhora de origem alemã, que chamava de Tia Gretel, na cozinha de uma colônia de férias para crianças. Dessa experiência tiraria lições preciosas, teóricas e práticas, para usar, anos mais tarde, no restaurante que abriu com o marido, Ido. Situado em Nova Petrópolis, cidade com clima de montanha próxima de Porto Alegre, o Colina Verde serve refeições coloniais com receitas das cozinhas alemã e italiana, tradicionais na Serra Gaúcha. O negócio totalmente familiar, deu tão certo que o filho mais novo do casal, Luís, formou-se em hotelaria e gerencia o negócio dos pais.”

Revista ELLE Brasil – Janeiro 2009
O estilista Alexandre Herchcovitch cita um dos seus restaurantes favoritos:
“...Um dos estilistas mais criativos do país, ele adora programas gastronômicos, foge de endereços da moda e não dispensa lugares incomuns...”
“...TODOS OS GOSTOS – Com um cardápio que reúne opções típicas da Itália, da Alemanha e do Rio Grande do Sul, o Colina Verde é parada obrigatória para quem gosta de comer bem. Adoro as receitas alemãs.”

Jornal Zero Hora – Janeiro de 2009
“Na Moda”
“...um dos estilistas naus criativos do país, Alexandre Herchcovitch revelou para a revista Elle que adora programas gastronômicos e citou como um dos seus locais preferidos o restaurante Colina Verde...”

Guia Rodoviário Quatro Rodas 2007 – Editora Abril
Citado como um dos melhores restaurantes à beira de estradas no Brasil: “Mescla receitas das cozinhas alemã, italiana e gaúcha, predominantes na Serra. A farta refeição, com saboroso tempero caseiro, inclui sopa de capelete, frango ao forno com maçã, espaguete com molho de moela de galinha, chucrute com salsichão e matambre...”

Livro Caminhos do Sabor – A Rota dos Tropeiros – Editora Gutenberg - 2005
Matéria “O Sonho do Pai”

O restaurante “Colina Verde”, de Ido e Marlene Schwantes, fica no alto de uma colina. Já a moradia do casal fica poucos metros abaixo. Eles assim preferiram porque gostariam de dividir a vista do topo da colina com seus clientes. E, além disso, o restaurante também pode ser considerado como uma segunda casa do casal. 
Ido conta que seu bisavô, natural da Pomerânia, norte da Alemanha, veio para o Brasil ainda criança, em 1856 e  apesar de todo esse tempo, garante Ido, as gerações seguintes mantiveram a tradição alemã de celebrar à mesa. A construção do restaurante Colina Verde em 1980, foi a forma que ele encontrou de satisfazer um sonho de seu pai e aproveitar o talento de sua esposa Marlene na cozinha.
O pai de Ido, um cantor de coral, sempre dizia que um dia teria uma choupana no alto de uma colina. A inauguração do restaurante veio como um presente do filho. Já Marlene, adorou a idéia de trabalhar na cozinha. Ela havia aprendido a cozinhar num lar de crianças carentes onde trabalhava. Foi lá que ela conheceu Tia Gretel, uma mestra no seu ofício. Marlene prestava atenção em tudo que ela dizia, das pequenas nuanças de como fritar um simples bolinho de aipim, até o método utilizado para defumar um joelho de porco.
Anos depois, quando surgiu a idéia de abrir o restaurante, Marlene não teve dificultades para criar o cardápio. Iria servir tudo que havia aprendido com Tia Gretel, assim como os quitutes que fazia para a Festa do Kerb, uma confraternização religiosa típica dos descendentes alemães: pão caseiro, salada de batata, sopa de capeletti, eisbein com raiz forte, chucrute, salsicha Bock com mostarda, lombinho de porco à milanesa, bolinho de aipim, frango ao forno com maçãs doces, matambre, massa caseira com molho de moela de frango, pudim de claras com ameixa, torta de chocolate gelada e apfelstrudel. Hoje, tantos anos depois, quem passa pelo “Colina Verde” sai com pelo menos uma certeza: teve uma refeição magnífica e inesquecível.


Jornal do Comércio – Fevereiro de 2005
“Duas indicações para quem vai à Serra no verão”
“...O casal proprietário, Ido e Marlene Schwantes recepciona os visitantes, numa sala em que as paredes ostentam os destaques obtidos. Em dias de menor movimento, cuida também do atendimento e simpaticamente desembarca nas mesas o desfile de pratos coloniais, baseados na culinária germânica, repetidos à vontade...”

Revista Viagem e Turismo – Editora Abril – Maio 2004 - Foto da Capa
“...a cidade tem o restaurante com a melhor refeição colonial do país...”


Jornal Folha de Novo Hamburgo – Dezembro de 2004
Matéria “A Colina dos Prazeres”

Colina dos prazeres
Numa manhã de sábado ou domingo, faça um favor para si mesmo: pegue seu carro, instale nele a família e pegue a BR-116 no sentido norte. Este passeio é um deleite, a estrada é das mais bonitas do país, com paisagens deslumbrantes e pouco movimento. Vá até Nova Petrópolis, curtindo o festival de belezas que desfila pelas janelas do carro. Vá devagar, sem pressa, faça um passeio bem tranqüilo: são cerca de 60 quilômetros, cobertos em pouco menos de uma hora. E ao chegar lá almoce no Restaurante Colina Verde, esta raridade que ostenta surpreendentes – mas merecidas – duas estrelas conferidas pelo Guia 4 Rodas. Não é pouca coisa, minha gente, muita casa famosa por este Rio Grande não merece sequer uma, apenas as notáveis alcanças duas. E o Colina, fundado em 1980, passou a ganhar uma estrela em 1986 e duas desde 1991. fantástico: esta casinha caiada no alto de uma colina é estrelada por 19 consecutivos, e você pode ver esta coleção de honrarias caprichosamente arrumada na parede da sala de espera.
E como um restaurante de interior alcança este reconhecimento? É fácil de dizer, dificílimo de fazer: com comida de primeira qualidade e apresentada diariamente com o mesmo padrão. O Colina serve os mesmos pratos, com o mesmo tempero e a mesma cocção todos os dias – nunca há uma variação.
A casa trabalha de terças a domingos, servindo somente almoços, a sua versão da comida colonial alemã típica. Uma versão com um capricho e um sabor que não se encontra em qualquer outra casa que se propõe à culinária típica de nossa região. Há um bolinho de aipim que se desmancha na boca, nem sei como eles conseguem fazer aquilo; uns bifinhos de lombo de porco à milanesa extraordinários; um matambre único; uma salada de batatas com o sabor que todas deveriam ter. e muito mais, tudo impecável, o que se aplica também às sobremesa.
Ou seja: o almoço no Colina Verde é uma experiência gastronômica rara, um prazer completo. Por isso, nem se importe se você tiver que enfrentar uma fila de espera, o que é praticamente inevitável aos domingos mesmo para quem faz reserva. Vale a pena esperar, até porque a espera com um aperitivo é agradável no ar revigorante da serra. O Colina verde é um empreendimento familiar – um filho concretizou o sonho de seu pai erguendo a casa numa colina de propriedade da família – e sua qualidade é mantida inalterável exatamente pelas características de negócio familiar que tem a disciplina, a organização e a preocupação com detalhes típicos de nossos descendentes de alemães.
O almoço custa R$20,00, o que é barato. Para chegar lá, siga pela BR-116 até um canteiro central ( o único) bem no alto da serra, cerca de três quilômetros antes de Nova Petrópolis. Faça o retorno e logo a seguir dobre à direita e novamente à esquerda, tomando a rua particular de paralelepípedos que sobre a colina e o leva até o restaurante. Aguarde a sua vez, instale-se numa mesa de toalha branca e desfrute um restaurante que realmente é como poucos.”

Revista WS International- Maio 2004
“It is easy to find out why this colonial restaurant was chosen by Quatro Rodas magazine the Best of Serra Gaúcha. The meals mix German and Italian cuisine. Sauerkraut, bock sausage, homemade pasta, cassava cookies and roasted fowl with apples are some of the tidbits on the menu. Opened from Tuesdays to Sundays from 11:30 am to 3 pm.”

Jornal NH – Novembro de 2003

“...Requinte e Sabor na Colina...”

Jornal Zero Hora – Outubro de 2002
“... À mesa com o professor Ostermann...”
O Jornalista Ruy Carlos Ostermann indica o Colina Verde como um de seus favoritos: “o cardápio traz uma grande variedade de pratos da cozinha alemã colonial”

Jornal Zero Hora – Junho de 2001
“A cozinha colonial germânica de Nova Petrópolis”
“...o mais típico dos restaurantes de Nova Petrópolis é o Colina Verde. No alto do Morro da Vila Olinda, com vista para os vales, é o único a ostentar duas estrelas no Guia 4 Rodas..”

Jornal Zero Hora – Julho de 2000
“O que há para conferir... a típica comida caseira alemã é o grande atrativo do Restaurante Colina Verde”

Revista Viagem e Turismo – Editora Abril – Julho 1999
“...um dos melhores de toda região...”

Jornal Zero Hora – Outubro de 1997
“Colina Verde é o sucesso da Serra”
“...O Restaurante Colina Verde, em Nova Petrópolis, é simples e rústico. No alto de uma colina, oferece uma vista tranquilizante e uma comida caseira de despertar a gula do mais recatado cliente...”

Jornal Pioneiro – Dezembro de 1996
“...sendo que o Colina Verde, em Nova Petrópolis, foi o único a receber em todo o Estado o que nem as badaladas casas de Porto Alegre conseguiram: duas estrelas – muito boa cozinha.”

Jornal Zero Hora – Dezembro de 1995
Gasparotto: “A culinária gaúcha continua com prestígio...Mas o grande destaque mesmo ficou para a Colina Verde. A casa de Nova Petrópolis é considerada a melhor do Estado.”

Jornal do Comércio – Junho de 1995
“Receita de sucesso na Serra Gaúcha”
“...o segredo do Colina Verde é fazer uma comida honesta, juntando as cozinhas alemã e italiana e preparando tudo num fogão à lenha com cuidado.”


Jornal Zero Hora – Novembro de 1994
“A boa cozinha que vem de cima”
“...A justificativa para a condecoração do Guia 4 Rodas aparece quando os pratos começam a chegar à mesa. Depois de uma irretocável sopa de capeletti, acompanhada de deliciosos pãezinhos feitos na casa e de manteiga colonial, inicia-se um verdadeiro desfile gastronômico...”
“...Além da condecoração, o Colina Verde é apontado por especialistas como o melhor restaurante do Estado...”

Jornal Zero Hora – Agosto de 1993
“O restaurante gaúcho que chegou às estrelas”
“...perto das estrelas, e frequentado por estrelas, o Colina Verde ganha mais duas do “Guia Quatro Rodas”...”

1/2

© 2016 Restaurante Colina Verde